Teatro de Balugas


O Teatro de Balugas inspira-se na cultura popular do Minho. É teatro feito na aldeia, acreditando que este trabalho comunitário manterá viva a identidade desta, enquanto espaço de criação, numa luta contra o desaparecimento do mundo rural, da festa feita nas terras pelas gentes que contavam apaixonadamente as suas crenças, tradições e costumes, de uma certa ideia de progresso que não serve homens nem comunidades. É uma história de resiliência e continuidade, onde a cultura popular de gerações resiste nas mãos de um punhado de artistas anónimos que pisam o palco de balugas ou borzeguins, botas altas com atacadores, de onde deriva o topónimo da aldeia de Balugães. Fundado em 2007, o Teatro de Balugas conta com 20 criações teatrais levadas a palco, com textos originais seus, tendo atuado em várias localidades do noroeste peninsular, área geográfica umbilical do trabalho artístico desenvolvido.

Aliado ao projeto teatral, o Teatro de Balugas organiza o Festival de Teatro PALCO DE TERRA e atribui anualmente o prémio PALCO DE TERRA para reconhecer e agradecer o trabalho e o esforço de pessoas ou instituições no âmbito do teatro realizado no meio rural e da criação artística sobre o Minho. A companhia de teatro coordena também o BORZEGUIM – plataforma de materialização artística da memória coletiva da aldeia de Balugães, com destaque para o TERREIRO – teatro comunitário, um espetáculo bienal, realizado na primeira semana de agosto, em que a aldeia de Balugães e o Teatro de Balugas levam ao adro da Igreja Românica de São Martinho de Balugães um espetáculo de forte identidade local, onde prevalece uma estética associada ao mundo rural minhoto e também à devoção, à espiritualidade do povo e assente numa cultura de resgate do espaço e do vale que o rodeia.

[prémios e distinções]

2020 | Pão Nosso | Espetáculo vencedor do CONTE – Concurso Nacional de Teatro 2020. Vencedor do Prémio Ruy de Carvalho para Melhor Espetáculo e Prémio de Melhor Cenografia.

2020 | Furgoneta | texto vencedor da 1ª edição da Bolsa TEIA de Criação Teatro Amador da rede cultural TEIA – Teatro Em Iniciativa Associativa, do Projeto Comunidade do Teatro do Noroeste – CDV.

2019 | Raposos | Estreia no Festival de Teatro de Barcelos [Theatro Gil Vicente] (Prémio de Melhor Espetáculo, Melhor Cenário, Melhor Sonoplastia, Melhor Iluminação Cénica e Melhor Guarda-Roupa).

2019 | Pão Nosso | Espetáculo selecionado para o Festival Transfronteiriço de Teatro Amador PLATTA (Plataforma Transfronteiriça de Teatro Amador) – Espanha.

2019 | Medalha de mérito atribuída ao diretor artístico do Teatro de Balugas, Cândido Sobreiro, pela Junta de Freguesia de Balugães (Barcelos).

2018 | Pão Nosso | Estreia no Festival de Teatro de Barcelos [Theatro Gil Vicente] (Prémio de Melhor Espetáculo, Melhor Cenário, Melhor Sonoplastia, Melhor Iluminação Cénica e Melhor Guarda-Roupa).

2017 | Residência Artística Pão Nosso premiada pelo programa de Apoio ao Associativismo da Fundação INATEL | Gala de Reconhecimento Social (Teatro da Trindade em Lisboa).